02 abril 2007

Crianças assistem mais de 50 horas de comerciais de alimentos todos os anos

De acordo com pesquisa do Kaiser Family Foundation divulgada no AdAge, crianças americanas assistem de 29 à 52 horas de comerciais de alimentos todos os anos, assunto que promete esquentar o mercado publicitário Americano.

Pelo menos um terço das propagandas que crianças abaixo de 12 anos assistem na TV são de balas e doces, 28% de cereais e 10% de fast-food, indo na contramão da tendência americana da reduzir a obesidade infantil.

Crianças americanas entre 2 e 7 anos assistem em média 748 horas de TV por ano e crianças entre 8 a 12 anos chegam a 1250 horas de TV por ano.

A pesquisa resultou em uma grande polêmica e há quem defenda que na verdade as crianças são expostas à mais de 40 mil propagandas de alimentos por ano. E o mais preocupante disto tudo para as Agências é a iminente ameaça de regulamentação por Washington.

O estudo da Kaiser examinou apenas as TVs ABC, CBS, Fox, NBC, WB. UP, ABC Family, BET, Cartoon Network e MTV.

O estudo conclui ainda que a maioria dos comerciais são justamente de alimentos que devem ser consumidos com moderação, ocasionalmente ou em pequenas porções.

Por outro lado Dan Jaffe, Vice presidente da Association of National Advertiser falou que as propagandas estão se dirigindo para alimentos mais saudáveis.

Veja mais detalhes (em inglês) no Advertising Age.

Enquanto isto, no Brasil a ANVISA parece estar entrando em acordo com o CONAR no tocante à propagadas de alimentos dirigidas ao público infantil.

Curiosamente vejo propagandas de achocalatados que ou desconhecem ou fingem desconhecer o anexo H item 1 - i que reproduzo a seguir:

i) evitar a exploração de benefícios potenciais derivados do consumo do produto, como a conquista de popularidade, elevação de status ou êxito social, sexual, desempenho escolar, esportivo, dentre outros;

3 comentários:

Gustavo Loureiro disse...

Será que as empresas querem realmente mudar isso? E será que o consumidor quer que isso mude?

João Carlos disse...

Pois é Gustavo, o maior problema esta em saber onde fica o limite entre a ética e o capitalismo. Mas torcemos para que ela seja bem definida e a ética sobressaia.

MissMoura disse...

Li sobre o assunto em O Globo e parece que os horários de veiculação de produtos com alto índice de açúcar e gordura será pre-determinado, algo em torno das sete da noite. Nada de hamburgueres e milk shakes no intervalo do programa da xuxa... Mas me parece que esta ainda não é a solução. Vamos aguardar.